terça-feira, 25 de setembro de 2007

Poema "Figuras no Céu"

Figuras no céu


Pergunto ao vento, que tal correm os dias no teu reino,
Do outro lado desta barreira de silêncio que nos separa.
Pergunto-lhe por ti,
Certo de que nunca chegarás a saber que por ti perguntei.

No meu horizonte, todas as manhãs e horas do acordar,
Escolheste ser o Sol que nasce sem no entanto amanhecer.
Uma estrela sempre presente, mesmo no céu nocturno,
A guiar um sentimento que o Destino não quis conhecer.

Ao olhar o céu nocturno deitado em praia deserta,
Faço as minhas próprias constelações,
Apenas contigo no meu pensamento.
A noite retribui com a compreensão do seu silêncio.

Neste eterno cenário
Onde não fazemos as regras e tudo se altera,
Todas e quaisquer certezas
Estão sempre longe demais dos nossos dedos.

Mas eventualmente, depois da noite,
Madrugada e um novo dia terão chegado.
Nuvens sempre em mudança num céu matinal,
Que nasce já de tons de vermelho raiado.


- Paulo de Sousa Alcoforado (2006, do livro "Reticências...")

5 comentários:

Anónimo disse...

Vai ser um sucesso!

Vera disse...

Lindo, lindo, lindo, lindo, lindo!!!
Mais um poema maravilhoso poeta!

Beijinhos

Sara disse...

Olá Zeca Paulo:)
Reencontrei-te pela blogosfera... Surpreendente este "mundo", e mais ainda a tua poesia. Gostei muito!
Muito sucesso para ti e para o teu livro:)
Beijinhos para ti e pro teu mano
Sara Tavares (Pipas)

Bruxinhachellot disse...

Um eterno cenário de encantamentos.

Beijos de Sol e de Lua.

Anónimo disse...

Este foi um bom artigo para ler, obrigado por compartilhar isso.